domingo, 10 de janeiro de 2010

ASAS NOTURNAS

Bato as asas em vôo para as alturas do infinito
Sem saber onde vou chegar
Encontro amigos, sossego e descanso
Vejo também os mais belos campos
Coberto com as mais belas flores jamais vistas
Sinto o cheiro de seu perfume
Como é tranqüilo voar assim!
O vento suave de encontro ao meu corpo
Na tentativa de ir mais baixo em vôo rasante
Para sentir de mais perto toda essa formosura
Sou atingida e ferida como por uma flecha
Vou caindo em direção ao mais profundo abismo
Escuridão e incerteza. Onde irei cair?
O desespero e a dor tomam conta do meu ser
O que fazer se a queda parece certa?
Na luta de me manter no ar em vôo
Deparo-me com nuvens carregadas
Tempestade, trovões e relâmpagos
No sufoco para sair dessa tempestade
Ainda encontro os inimigos da madrugada
É o fim. Quem poderá me dar escape?
Mas por um instante um milagre acontece
Sinto-me amparada, curada e levada
Para o esconderijo do descanso
Repouso encontro e adormeço
Autora:Darcy Raposo

Seguidores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Arquivo do blog

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.